Segunda-feira, 5 de Novembro de 2018

até às cinco e meia são mil anos

Tens de esperar, o pé para o alto, o corpo dorido, a traição absoluta agudizada pelo frio e pela chuva, como encontrar algum conforto num cenáro assim?, a pergunta fica a pairar e o relógio rasteja com a lentidão os caracóis mais preguiçosos. É preciso chegar às cinco e meia e não posso envelhecer mil anos até lá. Curioso como o tempo nos massacra. Na janela, a chuva rasga o céu como se fosse estática da televisão, fecho os olhos, mudo de canal.

publicado por Patrícia Reis às 16:54
link do post | comentar

por este mundo acima_

Por este mundo acima

pesquisar neste blog_

 

arquivos_

Os Livros_

Clique na imagem

para comprar o livro.




















subscrever feeds